Espécies BrasileirasCPOEspécies Brasileiras

Bromélias

POR QUE BROMÉLIAS?

Quem visita uma página destinada às orquídeas deve em princípio se sentir surpreso ao encontrar uma seção dedicada às bromélias, pois afinal de contas, orquídeas e bromélias são coisas totalmente diferentes, não possuindo nada em comum...É certo que ambas as famílias, Orquidácea e Bromeliácea fazem parte do reino vegetal, mas a semelhança entre elas termina por aí.
O que mais atrai admiradores para as orquídeas é a grande diversidade de formas e cores de suas plantas e principalmente flores, que podem medir de pouco mais de um milímetro a mais de trinta centímetros; inflorescências com uma única flor até mais de uma centena de flores; flores verdes que mal podem ser percebidas na planta e flores magnificamente coloridas; plantas com apenas um centímetro de altura e outras com mais de um metro. Que outra família possui tal variação? Tudo bem que existam bromélias minúsculas e muito grandes, com inflorescências simples e altamente ramificadas, com flores isoladas ou dezenas de flores, flores de colorido inexpressivo e outras muito coloridas. Tudo bem que até as plantas possam ter algum charme, com folhas e brácteas coloridas, listadas, pintadas, manchadas, etc. Nem por isso elas podem querer ser colocadas ao lado das orquídeas.
É fato que nas Américas, hábitat único das bromélias (salvo uma única espécie que ocorre na África), ambas coexistam nos mais diversos tipos de ambiente, do nível do mar onde ajudam a compor as primeiras faixas de vegetação existentes nas praias, até altitudes que se aproximam dos quatro mil metros, na Cordilheira dos Andes; acompanhando a Linha do Equador em plena Amazônia, e se aproximando da Patagônia no extremo sul do continente; em florestas úmidas, compondo o cenário de cachoeiras na Mata Atlântica ou América Central, e em ambientes semidesérticos, como a caatinga do Nordeste Brasileiro; mas realmente, qualquer semelhança entre elas termina aqui. São plantas tão diferentes, que é praticamente impossível que um aficionado possa sequer imaginar orquídeas e bromélias colocadas lado a lado.
Quem teria essa infeliz idéia?
Quando observamos as orquídeas em seus hábitats como por exemplo sobre uma árvore onde as mesmas ocorrem como epífitas, “eventualmente” nossos olhos podem esbarrar em uma ou outra bromélia que por acaso esteja também sobre a árvore, mas isto é apenas uma peça que a mamãe natureza quer nos pregar, pois orquídeas e bromélias não possuem nada em comum.
Basta  baixarmos os olhos para o solo da floresta procurando orquídeas terrestres, e com toda a certeza poderemos observar, sobre o solo rico em material orgânico semidecomposto... bromélias ao lado das orquídeas. Nova ironia do destino que irá novamente se repetir se formos procurar orquídeas rupícolas, que nascem sobre as rochas em campos de altitude. É realmente digno de admiração a versatilidade das orquídeas, a facilidade que tem de se fixar em rochas horizontais e verticais, em pequenos nichos mais protegidos ou em áreas mais abertas e constantemente castigadas pelos ventos. Pena que para observá-las direito, tenhamos muitas vezes que afastar folhas de bromélias que insistem em se colocar novamente em nosso campo visual...
É, realmente não dá para entender... Bromélias num site destinado às orquídeas...
E ainda mais querer misturar o CPO e as bromélias...
De onde pode ter surgido essa idéia?


BROMÉLIAS:


  DENGUE E BROMÉLIAS  
AS BROMÉLIAS CLASSIFICAÇÃO REPRODUÇÃO
CULTIVO ACESSO À PÁGINA DA SBBr GALERIA DE FOTOS